9. Sequência profética.

9. Sequência profética.

A verdade é universal e sua espiritualidade, evidente; entretanto Jesus parece tê-la demonstrado. Bem se costuma dizer que ele matou a morte e Kardec assinou-lhe o atestado de óbito. Houve muitas revelações. Mas, a priori, infensas à noção de processo, caminho natural da razão, mesmo nos domínios do espírito. Essa noção exulta no complexo civilizatório judaico-cristão, nas suas revelações concatenadas, em que, segundo admite o espiritismo, uma etapa anuncia e prepara a outra. Alguns querem que o islamismo seja considerado uma fase desse complexo. Mas como? A influência de Jesus deu origem à tradição do seu novo mandamento, que corresponde não mais a amarmos o próximo como a nós mesmos, e sim mais ainda do que a nós, ao ponto da abnegação, do sacrifício, pois ninguém possuiria amor maior do que quem entrega a própria vida pelos seus amigos.[i] Aperfeiçoando assim a antiga lei mosaica, a herança de Jesus foi selada com seu martírio pessoal. Que fez Maomé? E já 600 anos depois? Conduziu tribos idólatras à crença no Deus único dos patriarcas; deu-lhes identidade: o que Moisés fizera aos hebreus 2000 anos antes do fundador do islã.
A lei mosaica, admite-o a tradição, anuncia um messias; este, por sua vez, promete o Espírito da verdade. Onde o islã nisso? No seu desejo de retorno a Abraão e ao seu Deus único? Tem mais a dizer ao catolicismo e seus congêneres; porque, para o espiritismo, Deus é a inteligência suprema e a causa primária de todas as coisas, jamais um ser humano deificado num dogma incompreensível. Nem por isso nos consideremos tão distantes assim do islã. Segundo Kardec: “Tendo suas raízes no antigo e no novo testamento, o islamismo é uma derivação deles. Pode-se considerá-lo como uma das numerosas seitas nascidas das dissidências que surgiram desde a origem do cristianismo, no que respeita à natureza do Cristo”.[ii] Maomé, dizem-no, declarou-se o selo dos profetas. Nec plus ultra! Todo respeito a essa doutrina de santa disciplina, legítima em sua providência divina, mas revelação que não se pode enquadrar nesse esquema progressivo de Kardec: Moisés, Jesus, espiritismo. Sim; foi o mestre que acolheu a notícia da existência desse sequenciamento judaico-cristão-espírita, psicografia do sr. Rodolphe R., médium judeu de Mulhouse. Era 1861. Com direito a exegese neotestamentária do quarto evangelho e a mensagens espirituais de aclamação, Kardec veio a consolidar a tese das três revelações em 1864, no best-seller O Evangelho segundo o Espiritismo,[iii] bem como, depois, em A Gênese, de 1868.[iv] Ainda assim, ele nunca deixou de apostar no espiritismo como elo possível de uma vindoura fusão religiosa, uma religião universal, a despeito de ter sido dito ao mesmo médium judeu que milhares e milhares de gerações ainda não a veriam na Terra.[v]



[i] João 13:34-35.
[ii] Revista Espírita. Ago-Set/1866: Maomé e o Islamismo.
[iii] Cap. VI: O Cristo Consolador, e cap. I: Não vim destruir a lei.
[iv] Cap. I, n. 20 e ss.
[v] Revista Espírita. Mar/1861: Dissertações espíritas. A lei de Moisés e a lei do Cristo. Set/1861: Dissertações espíritas. Um espírito israelita aos seus correligionários.